Última atualização em .

Pilares para o desenvolvimento da indústria cap. 1

Capítulo 1: Produtividade e inovação

AUMENTO DE PRODUTIVIDADE

O Brasil apresenta um quadro de produtividade do trabalho praticamente estagnado. Entre 2000 e 2016, a produtividade na indústria brasileira cresceu apenas 8,8%, o menor percentual entre nossos principais parceiros comerciais. A baixa produtividade do trabalho prejudica a competitividade da indústria brasileira no mercado doméstico e no mercado internacional.

GESTÃO

O World Management Survey, pesquisa internacional que avalia práticas de gestão, identificou que no Brasil a maioria das empresas apresenta baixa qualidade da gestão. Para a agenda de inovação tecnológica e da Indústria 4.0 ter sucesso ela precisa ser acompanhada por um processo de gestão eficiente.

Uma boa gestão produz um salto de produtividade com baixo investimento, como demonstrado pelo projeto Indústria Mais Produtiva da CNI e do SENAI, que inspirou o Programa Brasil Mais Produtivo. Até dezembro de 2017, a adoção de práticas de manufatura enxuta resultou no aumento médio de 52% na produtividade das 2.832 empresas que concluíram o programa.

O sucesso do investimento em pesquisa e desenvolvimento depende de uma boa gestão da inovação. A gestão eficiente contribuirá para a minimização dos riscos, adequação dos resultados aos objetivos e celeridade do processo da pesquisa e desenvolvimento à inovação.

INOVAÇÃO

Com as mudanças tecnológicas relacionadas à Indústria 4.0, o investimento em inovação torna-se ainda mais essencial para a indústria brasileira reduzir a distância da fronteira tecnológica mundial.

Apesar de sua importância, a capacidade de inovação das empresas brasileiras é pouco desenvolvida. Nesse quesito, o Brasil ocupa a 85ª posição em ranking com 137 países (WEF, 2017).

Um grande desafio é elevar a participação das empresas industriais no investimento em P&D, seja de forma autônoma ou em parcerias.

Promover parcerias com institutos tecnológicos e de inovação e com universidades aumenta a capacidade de pesquisa e desenvolvimento das empresas e, consequentemente, da capacidade de inovar.

QUALIFICAÇÃO DA MÃO-DE-OBRA

Os avanços tecnológicos da Indústria 4.0 incluem maior integração entre trabalhadores e máquinas nos processos produtivos, demandando habilidades e competências profissionais específicas, que precisam ser continuamente atualizadas.

Esse cenário de rápida mudança tecnológica faz com que os esforços para melhorar a formação básica e tecnológica conduzidos pelo governo não sejam suficientes. É necessário que as empresas acompanhem ativamente esse processo de mudanças, investindo permanentemente na qualificação profissional continuada dos seus colaboradores.

INTERNACIONALIZAÇÃO

Competir no mercado global pressupõe preparação da empresa. A estratégia para a internacionalização exige prospecção de mercados, definição de canais de distribuição, estratégia de branding, adaptação dos produtos e embalagens às exigências internacionais, identificação de parceiros comerciais e de investimentos.

Uma das principais dificuldades para o crescimento das exportações é a falta de conhecimento da empresa. A disponibilização de informações e o apoio à empresa são fundamentais para sua internacionalização. Para que essas ações sejam otimizadas é importante que as diversas instituições que atuam na promoção e apoio à internacionalização o façam de maneira alinhada e coordenada.

As dificuldades são tão maiores quanto menor o tamanho da empresa, o que torna mais importantes o apoio especializado e as parcerias para as empresas de menor porte e/ou iniciante no mercado internacional.

 

Pingbacks

Pingbacks estão abertas.

Trackbacks

Trackback URL

Comentários

Ainda não há comentários.

Publique seu comentário