Última atualização em .

Desemprego cai para 12,1%

A taxa de desocupação (12,1%) no trimestre de junho a agosto de 2018 registrou queda (-0,6 ponto percentual) em relação ao trimestre de março a maio de 2018 (12,7%). Em relação ao mesmo trimestre de 2017 (12,6%), também houve redução (-0,5 p.p.).

A população desocupada (12,7 milhões) caiu (-4,0%) em relação ao trimestre anterior (13,2 milhões) e também (-3,1%) quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, quando havia 13,1 milhões de desocupados.

A taxa de subutilização (24,4%) no trimestre de junho a agosto de 2018 ficou estável em relação ao trimestre de março a maio de 2018 (24,6%). Em relação ao mesmo trimestre móvel de 2017 (24,0%), houve alta (0,4 p.p.).

A população subutilizada (27,5 milhões) ficou estável frente ao trimestre anterior (27,6 milhões). Em relação a igual trimestre de 2017 (26,8 milhões), este grupo cresceu 2,8%, um adicional de 756 mil pessoas subutilizadas.

O contingente de pessoas desalentadas (4,8 milhões) no trimestre de junho a agosto de 2018 ficou estável em relação ao trimestre anterior. Em relação ao mesmo trimestre de 2017 (4,2 milhões), houve alta (13,2%).

O percentual de pessoas desalentadas na população de 14 anos ou mais de idade na força de trabalho ou desalentada foi estimado em 4,3% no trimestre de junho a agosto de 2018. A taxa ficou estável em relação ao trimestre anterior (4,4%). Na comparação com o mesmo trimestre de 2017 (3,9%), houve aumento (0,5 p. p.).

A população ocupada (92,1 milhões) cresceu 1,3% (mais 1,2 milhão de pessoas) em relação ao trimestre móvel anterior. Em relação ao mesmo trimestre de 2017 (91,1milhões), houve alta de 1,1%. O nível da ocupação (54,1%) subiu (0,5 p.p.) em relação ao trimestre anterior (53,6%) e ficou estável em relação ao mesmo trimestre de 2017.

Por grupamentos de atividade, do trimestre móvel de junho a agosto de 2018, em relação ao trimestre de março a maio de 2018, mostrou aumento nas categorias: Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (3,0%, ou mais 252 mil pessoas), Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (2,3%, ou mais 361 mil pessoas) e Serviços domésticos (2,5%, ou mais 154 mil pessoas). Os demais grupamentos não apresentaram variação significativa.

Na comparação com o trimestre de junho a agosto de 2017 foi observado aumento nas categorias: Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (3,0%, ou mais 473 mil pessoas) e Outros serviços (5,8%, ou mais 260 mil pessoas). Os demais grupamentos não apresentaram variação significativa.

 

Pingbacks

Pingbacks estão abertas.

Trackbacks

Trackback URL

Comentários

Ainda não há comentários.

Publique seu comentário