Última atualização em .

Wall Street realiza ganhos enquanto Bovespa esperou revisão da SELIC

Um passo para trás para dar vários para frente...

Wall Street terminou no vermelho na quarta-feira, com o Dow Jones e o S&P 500 caindo dos recordes recentes, com os investidores avaliando uma queda nos preços do petróleo, uma retração nos rendimentos do Tesouro e preocupações em torno do momento de aumentos de taxas pelo Fed no meio de uma temporada de fortes divulgação de lucros corporativos. No front corporativo, a Microsoft atingiu cotação recorde depois de anunciar lucros que superaram as expectativas, e a Alphabet, pai do Google, saltou 5% após reportar um lucro trimestral recorde em um aumento nas vendas de anúncios. Além disso, os resultados trimestrais da Coca-Cola, McDonald's e GM foram melhores do que o esperado, enquanto as perdas da Boeing foram muito maiores do que o previsto. Das empresas do S&P 500 que relataram lucros, 82,8% superaram as expectativas dos analistas, de acordo com dados do Refinitiv. O Dow Jones perdeu 266 pontos ou 0,7% para 35.491; o S&P 500 caiu 23 pontos ou 0,5% para 4.552; e o Nasdaq Composite fechou estável em 15.236.

O Ibovespa fechou em leve queda, acompanhando a piora no exterior enquanto esperava a decisão do Comitê de Política Monetária sobre a taxa de juros básica. O índice recuou 0,05%, a 106.363 pontos. A queda da curva de juros contribuiu para recuperação dos setores imobiliários e de consumo. Os DIs caíram em até 9 pontos-base, com maior força na cauda média e o dólar também ajustou, caindo 0,56% a R$5,539. Os destaques de hoje foram para Ambev (ABEV3) +0,40%, Itaú (ITUB4) +0,76%, Bradesco (BBDC3) +1,68%, Petrobrás ON (PETR3) +0,14% e Petrobrás PN (PETR4) -0,24%.

Pingbacks

Pingbacks estão abertas.

Trackbacks

Trackback URL

Comentários

Ainda não há comentários.

Publique seu comentário